10/10/2016

672x 304_op2Jogos Olímpicos e Paralímpicos reuniram 15,6 mil atletas no Rio de Janeiro | Foto: Rio 2016/Alex Ferro

Em agosto e setembro, o Brasil foi tomado pelo espírito esportivo com a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro. Foram 1,4 milhão de turistas, 50 mil voluntários e 15,6 mil atletas que, juntos, fizeram uma grande festa na cidade. O que poucos sabem é que a educação a distância também contribuiu para a realização dos Jogos.

A EAD foi uma das ferramentas usadas pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) para capacitar os profissionais que atuaram em ambos os eventos por meio de cursos na Escola Virtual da instituição.

Major

A experiência foi apresentada pelo major Carlos Eduardo da Costa, responsável pelo projeto, durante o 22º Congresso Internacional Abed de Educação a Distância (Ciaed), evento que contou com o Senac como correalizador e que reuniu profissionais da área de 19 a 22 de setembro em Águas de Lindoia, no interior de São Paulo.

"Na PM há uma preocupação muito grande com os índices criminais, e qualificar o profissional da forma presencial implica necessariamente na saída dele da rua, o que pode impactar nesses índices. A educação a distância ajuda a flexibilizar esse processo", disse o major.

Língua afiada

De olho no alto número de turistas que visitariam a cidade e nos desafios de uma boa gestão em grandes eventos, a Escola Virtual disponibilizou nove cursos para os policiais aprimorarem alguns idiomas, com foco em situações cotidianas da cidade e dos Jogos, além de títulos relacionados diretamente à atividade policial e ao relacionamento com o público. 

Fizeram parte do portfólio os cursos Técnicas de Expressão e Comunicação em Português, Inglês, Espanhol e Francês para Situações Específicas, Noções de Informática, Relações Interpessoais, Uso Diferenciado da Força, Imagem Institucional e sua Construção, além de Gerenciamento de Crises, um dos mais procurados pelos profissionais da instituição, segundo o major.

Costa afirma que, inicialmente, estimava a participação de 13,5 mil policiais militares nos cursos disponibilizados pela Escola Virtual, mas o projeto engajou mais de 16,4 mil profissionais durante os 13 meses que antecederam o início da Olimpíada. O número ficou muito próximo do total de cerca de 17 mil agentes da PMERJ que atuaram em diversos pontos da cidade durante os eventos esportivos.

"O uso da EAD nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos foi uma excelente oportunidade para consolidar esse tipo de ensino na instituição, tendo números muito animadores, com uma participação 21% superior à meta inicial", disse o major.

Estrutura

Subordinada ao Centro de Qualificação de Profissionais de Segurança (CQPS), a Escola Virtual da PMERJ tem mais de dez anos de atuação. 

PM

Todo o conteúdo do ambiente virtual é desenvolvido internamente pela equipe de policiais militares, que contam com formações distintas, como ciência da computação, programação, pedagogia, diagramação e recursos audiovisuais.


No local desde o início de 2015, Costa afirma que tem acompanhado a evolução da EAD na instituição e que a participação no congresso ajuda nesse processo de desenvolvimento pelo contato com o que tem de mais novo no setor.


"Vim no Ciaed ano passado e consegui aplicar algumas medidas que absorvi no evento para melhorar a questão da evasão. O EAD requer uma disciplina muito maior que o presencial, então é preciso buscar alternativas para que o aluno consiga acompanhar o curso", disse o major. "Outro item que quero desenvolver, e que já estamos verificando as possibilidades, é em relação a gameficação. Essa é uma ferramenta bem interessante para dinamizar a absorção de conteúdo estudado", completou.

Conheça os cursos na área de educação oferecidos pelo Senac EAD.

Leia também:

Gameficação é realidade nos cursos EAD do Senac

Congresso internacional estimula reflexões e troca de experiências em EAD

Censo sobre EAD aponta expansão do setor no Brasil