22/02/2018

uma mulher morena de cabelos pretos e blusa vermelha e um homem com camiseta preta

Mariana e Sérgio, graduandos em Pedagogia, conquistam 1º lugar em competição de empreendedorismo e inovação do Senac


Uma ação voluntária voltada à educação de jovens e adultos foi o ponto em comum que estimulou Mariana e Sérgio a investigar e pensar na elaboração da plataforma QAula - projeto que possibilita que professores aprendam com outros professores. Por meio do compartilhamento de práticas de ensino, o QAula, direcionado para a educação básica, que engloba educação infantil e os ensinos fundamental e médio, propõe um ponto de encontro entre o professores que buscam ideias para melhorar a sua prática de ensino-aprendizagem.

“Acreditamos que ninguém melhor que o professor para ensinar outros professores. Por isso, queremos estimular o seu protagonismo, disponibilizando um canal para que possam realizar trocas. A ideia é que as melhores práticas sejam avaliadas pelos próprios docentes, como forma de avaliar a sua qualidade e facilitar as buscas. Além disso, buscamos facilitar a vida do professor para que economize tempo de planejamento e tenha acesso facilitado a conteúdos de outros professores, e disponibilizar um espaço de socialização com colegas”, afirma Mariana Nazima, aluna do curso Licenciatura em Pedagogia no Senac EAD.

“Professores, alunos e escolas só têm a ganhar com o QAula”, garante Sérgio Yamasaki, recém-formado neste curso e companheiro da Mariana nesse projeto. “Os professores, porque terão à disposição uma plataforma gratuita para trocar suas experiências e melhores práticas de ensino. Já os alunos, por serem os principais impactados por um ensino de melhor qualidade, o que amplia seu potencial de aprendizado. E as escolas, que poderão contar com um repositório de práticas de ensino para auxiliar em seu planejamento curricular”.

 

Para os idealizados do QAula, a plataforma tem o compartilhamento de conteúdo como maior diferencial, já que professores, sejam de escolas públicas ou de particulares são, ao mesmo tempo, produtores e consumidores de conteúdo. “Ou seja, quem se beneficiará com o ambiente é o professor autor e protagonista, que deseja compartilhar sua bem-sucedida prática de sala de aula com seus colegas. Já os produtos concorrentes, que não deixam de ser importantes referências, partem da concepção de que os usuários são apenas consumidores, limitando seu valor como produtor de conteúdo”, diz Sérgio, que completa: “Basta o professor estar conectado pelo celular (smartphone) ou pelo computador (notebook ou destop) para acessar o QAula e encontrar, em um só lugar, espaço para publicar e pesquisar práticas de ensino, além de uma rede de educadores para trocar ideias e experiências sobre educação”.

Projeto conquista 1º lugar em competição de empreendedorismo e inovação
QAula recebeu reconhecimento ao vencer, em 1º lugar, na categoria Graduação, a 10ª edição do Empreenda - competição de empreendedorismo e inovação voltada para todos os alunos do Senac São Paulo.

A finalidade dessa disputa é  formar uma cultura empreendedora entre os alunos, estimulando a difusão e a aplicação dos conceitos de empreendedorismo de forma prática.

Como reconhecimento, os vencedores viajam aos Estados Unidos para conhecer o centro de referência de empreendedorismo: a Babson College, em Boston. “Essa instituição é considerado o lugar para quem quer aprender a empreender, e não apenas com o objetivo de gerar lucro, mas sim, ajudar a transformar o mundo”, afirma Valquiria Monte Cassiano Rizzo, coordenadora de empreendedorismo, sustentabilidade e inovação do Senac. Ela conta que, recentemente, a dupla participou de um workshop para aprimorar seu plano de negócio.

O objetivo é lançar essa plataforma ainda neste ano. “Temos um plano de ação que inclui o desenvolvimento e o teste do protótipo e o lançamento da plataforma para web e mobile”, conta Sérgio.

Ele explica que esse plano prevê a formação de uma equipe de desenvolvimento do aplicativo para que o protótipo do produto seja testado com usuários reais, corrigido e lançado. “Ao mesmo tempo, trabalhamos com a estratégia de divulgação da plataforma entre os potenciais adotantes iniciais, que devem se interessar pela proposta do produto. Para isso, temos o apoio do Instituto Cultural Lourenço Castanho (Icloc), uma organização sem fins lucrativos que tem auxiliado por ter os mesmos objetivos que o QAula de compartilhamento de boas práticas entre professores”, relata.

Novas possibilidades
Mariana, 29 anos, e Sérgio, 45, optaram pela pedagogia para a segunda graduação. Ambos já têm formação na área de comunicação.

Para ela, que já atua na área da educação, esse curso a levou a conhecer as visões desse segmento predominantes ao longo da história. Isso a ajudou a entender melhor como práticas assimiladas no passado permanecem até hoje e dificultam os processos de ensino e de aprendizagem.

“A visão da pedagogia tradicional, de transmissão de conteúdo e avaliação baseada em memorização, prejudica muito o aprendizado e afasta muitos da escola. Hoje, felizmente, pelo menos a teoria predominante já é outra. Então, o que falta é colocar em prática metodologias ativas que tenham como base o conhecimento colaborativo, que deve estar em constante construção. Essa linha de raciocínio nos levou a perceber que falta uma plataforma como o QAula para promover trocas em um novo cenário da pedagogia”, relata Mariana.

Esse curso foi para Sergio o despertar para o segmento de educação. “Pretendo unir jornalismo e pedagogia para trabalhar na criação de produtos e serviços educacionais com o uso da tecnologia”. Para isso, já está cursando a pós-graduação em Design Instrucional no Senac EAD.

Ampla atuação do pedagogo no mercado
Para Caio Augusto Carvalho Alves, doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP), e coordenador do curso Licenciatura em Pedagogia do Senac EAD, quem faz esse curso não se limita à sala de aula, como muitos podem pensar. O pedagogo, além de lecionar, pode atuar como planejador, organizador e operador de qualquer situação de aprendizagem. “Como hoje o conhecimento é valorizado em diversos contextos, o profissional pode atuar em qualquer organização, como museus, empresas, organizações não governamentais, hospitais, associações, sindicatos, instituições prisionais”.

Ele explica que a amplitude de novas oportunidades de trabalho para o pedagogo, vinda dessa nova concepção sobre a profissão, alinha-se muito bem à forma de como concebemos o empreendedorismo hoje. “O empreendedor deve ser entendido não somente como um sujeito que cria sua empresa, mas também como todo aquele que busca uma autonomia socioeconômica. Ele deve também dominar situações de aprendizagem, pesquisa e gestão do conhecimento, já que o bom uso e controle da informação passa a ser condição básica para qualquer empreendimento”, afirma Caio.

Hoje, complementa o profissional, para que se faça qualquer planejamento para empreender, é preciso pesquisar, ter em mãos informações consistentes e, em alguns casos, dialogar com equipes específicas. A aprendizagem permeia essas situações e contribui qualitativamente para que um empreendimento seja pensado, planejado e bem executado, como foi demonstrado pelos alunos de Pedagogia do Senac no prêmio Empreenda.

Valquiria afirma que a educação é um caminho promissor para empreender. “Nunca houve tanta demanda para uma educação inovadora e inclusiva. Estamos falando de novas gerações, pessoas cada vez mais conectadas. Por isso, as plataformas inovadoras educacionais, gadgets e demais recursos tecnológicos são tão bem-vindos em sala de aula”.

 

Saiba como funciona o estágio desse curso: Estágio: etapa fundamental para o estudante de pedagogia

Conheça o curso Licenciatura em Pedagogia no Senac EAD